sábado, 14 de maio de 2022

FBV159.02 O homem das balas de ouro

Um cavalo chegou a todo o galope, à rua principal de Misoula. O homem que o montava saltou para o chão e encaminhou-se na direção do "Strafford Saloon". Vestia de uma forma estranha, demasiadamente janota e vistosa. Uma sobrecasaca clara, às riscas, calças escuras, chapéu largo e meias botas, lustrosas, castanhas. Tudo novo, tudo luxuoso, a cheirar bem. 

O homem era alto e de aspeto decidido. Entrou no "saloon" e encaminhou-se imediatamente para Dick Steiner, de braços espetacularmente abertos.

— Dick, meu rapaz!

— Olá, Gilbert...

— Sabia que devias estar à minha espera!

— E eu supunha que tu me esperasses. A que distância fica a tua mina?

— Menos de quatro milhas...

— Olympia fica a umas quantas centenas... era de esperar que chegasses primeiro.

Gilbert riu alegremente.

— Tens razão, rapaz! Mas cá estamos e isso é o que importa...

— Sim, acho que sim...

— Eh, Strafford! ... — bradou Gilbert. — Serve bebidas a toda a gente. Ofereço eu. Quero festejar a chegada do meu irmão Dick!

— Teu irmão… Pois é um prazer conhecê-lo amigo... — disse Strafford. — Basta ser irmão de Gilbert para que todos o estimem.

— Obrigado... — volveu Dick, parecendo pouco convencido.

— Eh, escutem todos!...  — exclamou Strafford, batendo no balcão para reclamar silêncio. — Chegou a Misoula Dick Steiner, irmão de Gilbert e o nosso homem de oiro quer festejar o caso. Estão todos convidados a beber, ele paga!

Houve uma correria para o balcão. O convite, que ninguém se lembrou sequer de agradecer, parecia ter despertado uma sede geral. Dick sentia-se vagamente irritado com aquilo. Disse:

— Se não te importas, Gilbert... prefiro ir dormir umas horas. Estou cansado a valer e...

— Não vais desapontar-me assim, Dick! Não estragues a festa que eu esperava com tanto empenho!

— Bom, bebo um copo ou dois, mas não aguentarei mais. Estou a cair de sono, homem!

— Pois sim, mas agora vamos aquecer o estômago...

Dick bebeu dois copos, observando o irmão. Gilbert parecia ter-se tornado um bebedor, inveterado, a julgar pela maneira como consumia uísque.

— Dantes não bebias assim... — comentou.

— Dantes não podia gastar dinheiro, irmão! Agora sou rico e posso fazer o que me agrada...

— Compreendo...

Dick tinha vinte e seis anos, e Gilbert cerca de trinta. Os dois irmãos tinham-se despedido meia dúzia de anos antes, em Olympia.

Depois da morte dos pais, Gilbert partira a tentar a sorte. Sempre tinha sido ambicioso, ao contrário de Dick. Este deixara-se ficar a tomar conta do rancho que pertencia a ambos... até ao dia em que havia recebido uma carta de Gilbert, contando-lhe que, em companhia de um amigo chamado Lee Stevens descobrira um filão de oiro perto de Montana, a curta distância de uma povoação denominada Misoula.

A essa carta tinham-se seguido outras. Gilbert oferecera ao irmão a sua parte no rancho, mandara-lhe dinheiro... e acabara por lhe pedir que fosse para o seu lado.

Dick partira contra vontade... e agora encontrava o irmão transformado, vestido como uma peça de museu, vaidoso e julgando-se superior a toda a gente porque tinha feito fortuna,

Lamentou ter feito a viagem. Se tivesse calculado o que ia encontrar, nunca teria avido de Olympia...

Tal como o irmão, Dick tinha esplêndida figura e era atraente, embora as suas feições, curtida a pele pelo sol e pelo vento, tivessem uma expressão mais enérgica. Era alto, de ombros largos, cintura estreita e reflexos rápidos, movendo-se coma leveza e a força de um felino.

— Dick, meu rapaz... pareces preocupado... —disse Gilbert. — Que há?

— Nada... Estou cansado já te disse...

— Bebe mais um copo e conversemos, irmão. Vendeste o rancho, não?

— Não vendi...

— Mas não precisas dele...

— Também não preciso de dinheiro, Gilbert. Tenho o que tu me mandaste e mais o que ganhei nestes seis anos... Deixei lá um homem de confiança.

— Não te preocupes com isso. Encher-te-ei os bolsos de oiro...

— Nunca fui ambicioso, e vim aqui apenas par a voltar a ver-te, mas fiquei surpreendido. Não pareces o mesmo, com essas roupas e essa nova maneira de ser... Tu lá sabes, Gilbert..., mas não tens a impressão de que exageras?

— Talvez, Dick... Mas tu não sabes como e para quê vivem as pessoas...

— Mudaste por causa dos outros?

— Sim, embora te pareça estranho. Tens vivido toda a tua vida nesse rancho em Olympia, e desconheces muitas coisas. Por isso as consideras extravagantes, quando as vês.

— Mas, Gilbert... toda esta gente é normal.

— Normal, essa cambada?

— Esquece o facto de serem pobres. Isso não é vergonha...

— Também nesse aspeto te enganas, e vou demonstrar-to... — disse Gilbert, tirando o revólver do coldre e voltando-se para os outros, ao mesmo tempo que exclamava:

— O vosso amigo Gilbert está hoje disposto a gastar dinheiro, e vai fazer-lhes uma oferta. Afastem-se!

Os homens, como se já soubessem o que ia acontecer, afastaram-se. Gilbert disparou a arma, cinco vezes, para sítios diferentes, e as cinco balas cravaram-se no chão, levantando estilhas de madeira. Quando levantou o cano da arma, sinal de que não ia disparar a sexta bala, houve uma autêntica corrida, em que todos tentavam, com as pontas das facas, arrancar as balas da madeira. Ao que parecia era um jogo a que estavam habituados.

— Que pretendes demonstrar, Gilbert?... — perguntou Dick, espantado.

— Quero que vejas o que esses brutos são capazes de fazer por dinheiro... Se fossem ricos... fariam banheiras de oiro, como já se tem visito.

— E admiras os que fazem isso? Eu não. São ambiciosos, apenas.

— Chamas ambição a espalhar oiro assim?

— Seja insensatez ou ignorância, se preferires. Mas por que motivo lutam esses que aí estão?

— Por isto... — respondeu Gilbert, tirando a última bala do cilindro da arma e pondo-a sobre o balcão. — Fica com ela, como recordação...

— Balas de oiro!

— É um dos meus luxos. Nunca precisei de matar ninguém com elas..., mas se o fizer... o morto ficará agradecido.

— Mas isso é loucura, Gilbert! É uma temeridade. Parece que provocas uma revolta... ou um gesto de violência. E uma ostentação absurda...

— Rapaz — disse Gilbert, encolhendo os ombros —, fazes demasiadas críticas. Se não te sentes bem a meu lado, podes partir quando quiseres.

Dick poisou a bala sobre o balcão, novamente.

— Perguntaste e eu respondi-te. Lamento que te ofendesses. Não mudei. Gilbert. E amanhã ponho-me a caminho de Olympia.

— Como quiseres...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Outras passagens

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...